Postagens populares

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

EU DE IMAGEM SONOROSA

Baudelaire fuma na estação um poema-absinto.
Intitula seus poemas e os nomeia como s(eu)s.

Saussurre sussurra linguagens enroladas num charuto.
Na minha imaginação só lhes permito isto.

Leio agora quem não gosta da poesia do eu.
No tempo da oral palavra

O eu a memorizava.
João Cabral queria ser engenheiro

Mas Severino não pôde pagar a mensalidade.
Sempre haverá o eu, o eu, o eu,

Será sempre o eu a intitular o poema do não-eu.
A poesia nunca acordará sozinha.

É preciso uma voz que a lance a outros.
O eu a repartir o espanto sempre dará seu canto

À revelia.
A rosa é uma rosa é uma rosa.

Um eu plantou essa imagem sonorosa.

Ilusão.

Tenho de sair para quebrar o entorno do eu entupido.
O eu ao assinar um poema do não-eu: 

(EU)pitáfio.
Postar um comentário