Postagens populares

quinta-feira, 30 de maio de 2013

CONFISSÕES DE UM DAIMON

Sento-me na calçada, a olhar insone
o que deixaram pra que eu olhasse.
Aqui criaturas celestes sorriam.
A lua pairou ontem aqui para relaxar
e acordar meus lobos internos.
Passo as mãos pela calçada
e toco num alfinete. Sangro.
Queria sentir o cheiro
de cada noite durante o dia.
Me ponho a perguntar sobre sentidos
de coisas que jamais aconteceram.
Me ponho a perguntar sobre conceitos
de vida e da morte.
Me ponho a perguntar do rastilho
que a lua deixa nos líricos.
E o que eu penso do caminho
E seu potencial de medos?
Sento exatamente onde a lua brilha
encaixando o corpo-palavra.
É um canto perigoso
por provocar demasiadas perguntas
em seu frio constante.
Na verdade, sou um daimon.
Tive que derrubar aquele anjo
E tomar o seu lugar.
Postar um comentário