Postagens populares

domingo, 2 de junho de 2013

CANCERÍGENA MINHA

O terremoto é pressentido de leve.

Tomas um banho e imagino-te nua.

O barulho do chuveiro em sonoplastia.

Tua água com o perfume do sabonete.

Que eu usei ainda há pouco.

Quando de lá do banheiro

Eu te imaginava aqui a esperar

Com tua nudez de fêmea

Pronta para a invasão.

Agora estás lá e eu aqui.

Quando estava no banheiro,

Te imaginava a curva dos quadris,

Os cabelos caídos pelo câncer,

O escoar dos teus dias de vida,

E tua alma de galáxia que logo ascenderá,

Em conjunção com nossa memória.

Em constelações de fúria e revolta,

Aguardo-te. Para amorterapia.
Postar um comentário