Postagens populares

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O ASCO NO ÔNIBUS




Na face vazia,
Um fedor doente.
Corvos de axila
Fedendo inclementes.


Sob o sal, sovado,
O casco no centro.
Apenso no caos,
Sonho escorre, intenso.

Todo o espaço exala
Salso desespero.
À face do mito
Rói arcaico esmero.
Postar um comentário