Postagens populares

sábado, 14 de dezembro de 2013

FALA AO MAR

Há excessiva fragilidade.
Excessiva credulidade.

Meus dentes são fracos corais.
Minhas rugas transitam em rasgos.

O oceano tem saudades paradas.
Barcos se aquietam para o sono.
Vejo um em cor de reggae.
Verde, vermelho e amarelo. 

Um pescador me conta num galho
Sobre os pratos de seu avô
Cheios de cozidos de peixe
Com farinha de banana.

Eu moraria aqui.
Minha cabeça é lisa como uma negação.
Tenho excessiva fé quando não quero
E dura uma vida de cigarra terminal.

O pescador tem um barco
Que sempre está com ele,
Eu tenho um abraço,
Um abraço que meu pai me deu.

Quando chorei de medo
Da sereia no parque de diversões,
Fiquei escuro.

De vez em quando nas cercanias
Há um trovão que espanta
Maremotos. Mas sorri.
Postar um comentário