Postagens populares

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

SOB O SOL O POEMA

Observo que de mãos arregalando
a poesia acordou imóvel em cima
e suas bandas macias sobre a laje
ofuscam até o sol na história

que se altera

Vejo os raios sobre suas espáduas
o suor deslizante em seus vales de frases
sua circunferência ressentindo o verso morno
e passada a manhã, a poesia, sentando nos olhos
fuzilados pelos fatos, viola a lei do real 

como se estivesse sem bloqueador racional
Postar um comentário