Postagens populares

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

HOMEM-FICÇÃO

Queria poder falar,
Mas o escrever calou
A garganta 
Que fechou.

Na garganta agora dormem
Palavras noturnas
E que brincam de constelar
Noites por dentro.

Aumento os passos
Dos olhos
Para a razão e caio
Num cu irresoluto
De pensar fedido
Que o mundo é bomba-relógio
Ainda
E os homens
Só têm a importância
Que se dão 
Em ficção.
O autor nem os liga.
Postar um comentário