Postagens populares

sexta-feira, 23 de maio de 2014

POEMA-CARNE

Cuspo dactilo-amargo eu
de entre os dentes frágeis.
Rútilos resíduos 
ágeis de desejos bucais.
A febre foi adquirida 
por querer domar dela
o poema-carne indócil.
Postar um comentário