Postagens populares

domingo, 15 de junho de 2014

AMAR SEM TRA-LA-LÁ

Vem o amor com certezas,
Bate em portas com tesão,
Sangrando seus mitos gregos.
Mascando sem dó seu pão,
Com muita libido sôfrega
Em mil crostas de paixão.

A canção que ele escreve
Não cabe toda no afã
Dos desejos confessáveis
Nem sequer pode a divã.
Não precisa ser recíproco
O seu mergulho quântico.

Assim o amor dispensando
Os braços de canto em fá.
Que não esteja em conforto,
Isso pouco se lhe dá,
Ele a tudo com seu fado
Suporta, sem tralalá.

A flor que ele abre: benção
Dos atritos que o aferventam
Tem seu perfume envolvendo
O tempo com cargas densas
De fervor, com seus imóveis
E móveis gestos apensos.

(Dizem que o amor aos domingos
Com a família em volta à mesa
Vez em quando imita missas
Pra ter de Deus vista acesa
Que por ser Velho seduz-se
De cupidos na afoiteza.)
Postar um comentário