Postagens populares

sábado, 24 de janeiro de 2015

MATAR O ESPELHO

Se eu soubesse curvar
A foice da morte
No pescoço do seu vazio,

Se eu soubesse matar o espelho
De seu quarto sombrio,
De seu lacre ignoto,

Se eu soubesse o ritmo do escuro
Vale de sua morada, e o alagasse
Com mansas águas,

Mas não sei nada da morte,
Nada de seu vale de escura flora,
nem quando queima, nem quando afoga...
Postar um comentário