Postagens populares

sexta-feira, 24 de março de 2017

água dos olhos

De poemas faço a água dos olhos
Com que a alma vigia de dentro,
Enquanto há domínio do não
Latindo lá fora,
Teclo meu ser com água em fios
De espanto nestes escaninhos do estar,
Onde há febre nos raios

E pneumonia nas tempestades,
Enquanto preta late lá fora
E eu tecendo palavras
De estar quadrado num buraco redondo
Com meu apagar de realidade
Enquanto lá fora preta late
Pela escrava hora do passeio
E um poste espera ansioso
Que ela o cheire sofregamente

Até que ele entorte de cócegas
Esquecendo a lei do silêncio
Das coisas sem sopro
Postar um comentário