Postagens populares

domingo, 25 de novembro de 2012

TALVEZ QUANDO ME AMARES

Vens, talvez num trem,
talvez no ar, no mar,
e o aguardo é eterno,
mesmo porque
não é no real que te espero.

Aguardo-te no incriado,
no antes do real,
antes da criação do abismo das águas,
antes da nomeação de todas as coisas,
antes da língua da existência
se estender ao Todo.

Vens, talvez, a te arrastares no tapete,
ou a me mostrares a última canção das feras,
ou quem sabe, ainda, pendurada no lustre,
a declamar odes ao enredar do corpo
e a citar as cores mais ardentes da aurora
...
Postar um comentário